Bolsonaro comenta recusa de ajuda argentina à Bahia: ‘Não seria necessária naquele momento’

fonte Bahia.ba

No Twitter, presidente disse que apoio poderá ser acionado ‘em caso de agravamento das condições’

Em uma série de publicações em sua conta oficial do Twitter, nesta quinta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro comentou a polêmica recusa da ajuda humanitária oferecida pelo governo argentino às vítimas das chuvas na Bahia.

Segundo o presidente, “a Chancelaria Argentina ofereceu assistência de 10 homens (‘capacetes brancos’) para trabalho de almoxarife e seleção de doações, montagem de barracas e assistência psicossocial à população afetada”, mas sua administração recusou o “fraterno oferecimento argentino, porém muito caro para o Brasil” pelo fato de as Forças Armadas já estarem prestando “aquele tipo de assistência” à população, junto com a Defesa Civil.

“Por essa razão, a avaliação foi de que a ajuda argentina não seria necessária naquele momento, mas poderá ser acionada oportunamente, em caso de agravamento das condições. A resposta do Ministério das Relações Exteriores à Embaixada Argentina é clara a esse respeito”, declarou Bolsonaro, afirmando ainda que o governo brasileiro “está aberto a ajuda e doações internacionais”.

“Ontem, o Itamaraty aceitou doações da Agência de Cooperação do Japão (JICA): são barracas de acampamento, colchonetes, cobertores, lonas plásticas, galões plásticos e purificadores de água, que chegarão à Bahia por via aérea e/ou serão adquiridos no mercado brasileiro”, informou.

A dispensa da ajuda argentina gerou críticas da classe política, que mencionou o “descaso” do presidente em relação à tragédia. Dentre os indignados estão o prefeito de Salvador, Bruno Reis; o pré-candidato às eleições presidenciais de 2022, Ciro Gomes (PDT-CE); a deputada Maria do Rosário (PT-RS); o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB); o fundador do partido Novo e ex-aliado João Amoedo; e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), convocar o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, para prestar esclarecimentos no Senado a respeito do caso.