Banner Prefeitura

Líder do tráfico em Cidade Nova é morto; polícia prende 13 em operação

Foto: Mauro Akin Nassor / Correio
Foto: Mauro Akin Nassor / Correio

Apontada como líder do tráfico no bairro de Cidade Nova, em Salvador, Othon Carlos de Aquino de Jesus, 32 anos, conhecido como Goiaba, foi morto na última sexta-feira (2) durante operação realizada pela Polícia Civil.

Ele estava escondido em um imóvel alugado. “Ele era muito violento e era quem ensejava a prática de vários homicídios. Ele reagiu à prisão e morreu em confronto”, afirmou o delegado Jamal Amad, titular da 3ª Delegacia de Homicídios (3ª DH), em entrevista ao Correio. A polícia atribui ao menos nove homicídios ao grupo na região onde atua.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda há outras 11 mortes causadas por disputas por tráfico de drogas na região sendo investigados. Durante a ação, foi apreendida uma pistola Ruger 9mm, arma de fabricação americana e uso restrito de policiais federais e das Forças Armadas. Segundo a academia de tiro do estado, a pistola é proibida para policiais civis e militares por conta do maior poder de perfuração, podendo atingir pessoas inadvertidamente. “Com ela, é possível atingir duas ou três pessoas de uma vez”.

A incursão, nomeada Operação Max, foi realizada no último final de semana e cumpriu 13 dos 23 mandados de prisão expedidos. Doze presos, sendo 10 homens e duas mulheres, que são casadas com integrantes da quadrilha, foram apresentados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) no início da tarde desta segunda-feira (5). Já Gilvanci Souza Reis, 27 anos, já estava preso.

“O objetivo era desarticular uma organização criminosa sediada no bairro da Cidade Nova, mas com reflexo e atividade em diversos bairros vizinhos, a exemplo do Pau Miúdo, IAPI e Liberdade”, afirmou o diretor do DHPP, delegado José Bezerra Junior. Além dos pedidos de prisão, expedidos pela Justiça após solicitação do DHPP e parecer favorável do Ministério Público, foram emitidos seis mandados de busca coercitiva e 36 mandados de busca e apreensão.

Do BN


O APO está no Telegram. Faça parte do nosso grupo, clique aqui.