Banner Prefeitura

Secretário de Juventude fala de chacinas em prisões: ‘Tinha era que matar mais’

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O secretário nacional de Juventude, Bruno Júlio (PMDB), comentou a crise penitenciária no Brasil afirmando que “tinha era que matar mais”. Essa semana registrou dois massacres dentro de presídios no Norte do país, com mais de 80 mortos.

“Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina (em cadeia) por semana. Isso que me deixa triste. Olha a repercussão que esse negócio que o presídio teve e ninguém está se importando com as meninas que foram mortas em Campinas. Elas que não têm nada a ver com nada que se explodam. Os santinhos que estavam lá dentro, que estupraram e mataram: coitadinhos, oh meu deus, não fizeram nada. Para, gente! Esse politicamente correto que está virando o Brasil está ficando muito chato. Obviamente que tem de investigar, tem que ver”, disse ele ao HuffPost Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bruno Júlio afirmou ainda que que a ex-presidente Dilma Rousseff reduziu em 85% a verba para o sistema penitenciário e para ele isso não dá razão a Michel Temer quando classifica o que aconteceu de “acidente”. “Eu acho que o presidente errou. Isso não foi um acidente. É a mesma coisa, se eu mudo reduzo o investimento em manutenção de um carro, por exemplo, uma hora vai dar errado. Estoura um pneu, quebra uma direção, não foi acidente. É acidente porque é inesperado, mas sabia-se que isso ia acontecer. Foi como em Belo Horizonte, coloca cimento de quinta categoria em uma viaduto e quer não caia?”, questiona. Leia a entrevista.

*Redação Correio


O APO está no Telegram. Faça parte do nosso grupo, clique aqui.