Banner Prefeitura

Mais de 1,5 mil adolescentes com menos de 14 anos se tornaram mães na Bahia em 2021

Redação, via Aratu On

O panorama indica ainda que pouco mais da metade dessas mulheres que se tonaram mães na Bahia, em 2021, tiveram o parto normal

Creditos da foto: Mateus Pereira/GovBa

Um panorama apresentado nesta sexta-feira (6/5), pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), trouxe dados sobre as mulheres que se tornaram mães na Bahia, em 2021, e um tópico chama a atenção: mais de 1.500 meninas com idade até 14 anos tiveram bebês, no estado, no ano passado.

Conforme o levantamento, para o ano de 2020, na Bahia, as mulheres em idade fértil (entre 10 e 49 anos) somavam 4,8 milhões de pessoas e representavam pouco mais de 1/3 da população total. Considerando apenas a população do sexo feminino, aquelas que tinham entre 10 e 49 anos respondiam por 62,2%. Entre esse grupo social, 184 mil tornaram-se mães no estado, em 2021. Mas isso não significa que essa foi a primeira maternidade da mulher, mas que naquele ano tornou-se mãe com o nascimento de um filho vivo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O panorama indica ainda que pouco mais da metade dessas mulheres que se tonaram mães na Bahia, em 2021, tiveram o parto normal. Ou seja, 53% do total. Entre os filhos nascidos vivos, a maioria era do sexo masculino, o que equivalia uma razão dos sexos de 104,0. Isso significa dizer que, de cada 100 meninas nascidas vivas na Bahia em 2021, nasceram 104 meninos.

O perfil das mães indica que a grande maioria era jovem (20 a 29 anos) ou adulta (30 anos ou mais). Esses grupos etários respondiam por, respectivamente, 48,1% e 35,6% das mulheres que se tornaram mães na Bahia em 2021. Uma parte das mulheres adolescentes (de 10 a 19 anos) também se tornaram mães na Bahia. De cada 1 mil adolescentes na Bahia, de 10 a 19 anos, 25,6 tornaram-se mães em 2021. Apenas para o grupo menor de 14 anos, foram 1,5 mil adolescentes mães nesse mesmo ano.

O período de gestação também impõe riscos tanto para a mulher quanto para o filho que está sendo gerado. Esse período compreende desde a gestação, o parto e puerpério. Em 2021, foram 164 mulheres mortas por causas maternas. Isso equivalia a uma taxa de 8,9 óbitos maternos a cada 100 mil nascidos vivos. Metade dos óbitos, ou seja, 50% ocorreu durante o puérperio. E as principais causas desses óbitos foram: eclampsia (10,4%); hipertensão gestacional (5,5%) e; hemorragia pós-parto (5,5%).


O APO está no Telegram. Faça parte do nosso grupo, clique aqui.