Banner Prefeitura

Bahia fechou mais de 67 mil empregos no ano passado

Foto: reprodução/A Tarde
Foto: reprodução/A Tarde

A crise econômica atingiu em cheio o mercado de trabalho da Bahia no ano passado. Em todo o estado, foram eliminados 67.291 postos de trabalho formais, segundo o Caged – o pior resultado em toda a região Nordeste. O setor de serviços liderou as demissões, com o corte de mais de 25 mil vagas.

Em seguida aparecem a construção civil (-19.783) e o comércio (-14.518). A indústria de transformação também encerrou 2016 com saldo negativo (-5.275), mas trouxe ao menos uma boa notícia: a recuperação do setor calçadista, responsável pela geração de 3.312 empregos celetistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com sua economia fortemente ancorada no setor de serviços e de comércio, Salvador amargou ao longo de 2016 o fechamento de exatos 25 mil postos de trabalho com carteira.

A vizinha Lauro de Freitas, com perfil econômico parecido, cortou quase 14 mil. Com a redução da atividade industrial, Camaçari eliminou mais de 5 mil vagas. Feira de Santana, o segundo maior município do estado, perdeu quase 6 mil empregos e, Vitória da Conquista, outros mil.

O destaque positivo foi Juazeiro, que criou no ano passado 1.956 novas oportunidades de trabalho com carteira.

Nordeste

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da Bahia, todo o outros oito estados do Nordeste também apresentaram saldo negativo de empregos no ano passado. Os maiores cortes foram registrados em Pernambuco (-48.486), Ceará (-37.499), Maranhão (-18.036) e Rio Grande do Norte (-15.806).

Com informações do A Tarde


O APO está no Telegram. Faça parte do nosso grupo, clique aqui.